Como iniciar em computação forense?


Nesse post, você pode tirar todas as suas dúvidas sobre a computação forense, como funciona, o que o profissional da área faz e muito mais.

computacao forense

A profissão de perito em computação forense já é, para muitos, uma profissão do futuro. Isso porque, cada vez mais, é necessária a atuação de especialistas para desvendar crimes que possam deixar rastros digitais.

A área de perícia forense computacional é um campo da Perícia Judicial que demanda habilidades específicas na área de informática para investigação tanto criminal como de outras ordens.

Mas você sabe o que realmente faz um perito em computação forense? Sabe as vantagens da profissão e como iniciar nessa carreira?  Se a resposta é não, acompanhe este artigo e descubra como iniciar e ter sucesso na profissão.

O que faz um perito forense computacional?

Como se trata de uma área relativamente nova, muita gente não entende muito bem no que consiste a profissão do perito em computação forense. Contudo, essa profissão está em expansão, e é cada vez mais necessária no mundo atual.

Na prática, o profissional perito em computação forense tem a função principal de recuperar informações de dispositivos eletrônicos, como computadores, celulares e outros, como forma de reunir evidências para desvendar algum caso, geralmente relacionado a algum tipo de crime.

O trabalho de coleta de informações ocorre, inclusive, recuperando dados de equipamentos danificados como, por exemplo, de uma placa de vídeo danificada, de um HD queimado, entre outros. 

O perito irá recuperar essas informações, organizar, documentar os dados e analisá-los.

Hoje em dia, quase todos os crimes envolvem algum meio eletrônico que pode conter alguma prova. Por isso, esse profissional é cada vez mais necessário.

Como essa profissão está relacionada à área de investigação criminal, muitos profissionais trabalham diretamente para a justiça, para as forças policiais ou para empresas privadas.

Em geral, o imaginário popular relaciona essa profissão a de investigadores de séries famosas, como CSI. Apesar de não ter todo esse glamour, a profissão é semelhante, muitas vezes, a algumas mostradas nessas séries. Além disso, os ganhos são acima da média.

O perito em computação forense precisa ter muito conhecimento técnico e habilidades investigativas para coletar provas até mesmo em situações mais difíceis, como as citadas acima. 

Além da solução de crimes, o perito forense computacional pode atuar testando e corrigindo sistemas contra possíveis vulnerabilidades, deixando-os menos suscetíveis a ataques.

Vantagens de trabalhar na área de computação forense

A principal vantagem é que se trata de uma área em grande expansão, devido ao progresso tecnológico que tem ocorrido em larga escala no mundo todo. 

Isso coloca em evidência tanto os crimes cibernéticos e vazamentos de dados quanto outros crimes que acabam deixando provas e rastros em equipamentos digitais ou na rede.

Até mesmo as empresas e grandes organizações se preocupam muito hoje em dia com vazamento de dados e informações sigilosas. Por isso, elas investem na contratação de pessoas capacitadas para auxiliarem nessa proteção da privacidade da empresa.

Só no estado de São Paulo, estima-se que houve um aumento de 437% de perícias digitais nos últimos 10 anos. Um aumento expressivo.


Como o profissional perito forense computacional precisa reunir uma série de habilidades e formação específica, as opções de trabalho são muitas. Aliás, os salários também são muito atrativos.

Passo a passo da análise de computação forense

Mas quais são os passos de uma análise de computação forense? Como a análise forense computacional está mais ligada à prática de investigação, alguns passos são necessários para prosseguir com a análise.

Como toda perícia, este tipo de análise também segue um conjunto de regras fundamentais, para que seja válida e confiável. Enfim, acompanhe a seguir o passo a passo de uma análise forense computacional:

  1. Garantir a segurança da informação, protegendo o equipamento ou sistema que a contenha, de modo que nenhuma pessoa sem autorização tenha acesso a ela;
  2. Organizar um backup para armazenar todos os dados do sistema ou equipamento em análise, pois o trabalho tem que ser feito nessa cópia para preservar o equipamento ou sistema original, evitando que ocorram danos ou alterações acidentais durante o processo de análise;
  3. Pesquisar todo o material em busca de dados, mesmo que estejam criptografados, protegidos por senhas ou já tenham sido apagados;
  4. Usar programas de recuperação de dados, para buscar por arquivos já excluídos dos dispositivos;
  5. Remover a criptografia dos dados. Esta etapa é uma das etapas mais complexas, e nem sempre o perito obtém sucesso nela;
  6. Fazer relatórios detalhados sobre todo o processo e os achados;
  7. Estar preparado para frequentar tribunais sempre que for preciso.

O profissional de computação forense é alguém que deve possuir muitos conhecimentos técnicos e na área de TI. Assim como também deve saber sobre o campo jurídico, conhecendo leis, processos, entre outros conhecimentos da área. 

Por isso, é uma profissão bastante complexa, e que exige uma formação bem focada para a área.

Como iniciar em computação forense 

Para iniciar na computação forense, é necessário focar em dois pontos fundamentais: 

  • Se especializar em cibersegurança e desenvolver domínio técnico em TI, e no uso de ferramentas para investigação; 
  • Possuir embasamento jurídico e conhecimentos sobre leis, investigações e no ramo criminal.

Além disso, a especialização em perícia digital é essencial para reunir esses dois conhecimentos, e formar um profissional preparado para atuar no mercado.

No que se refere ao conhecimento técnico de ferramentas, podemos citar algumas muito usadas em investigações, como BlackBag, EnCase, Forensic Toolkit (FTK), entre muitas outras. 

Além disso, é importante ter muitos HDs à disposição para armazenar os dados das investigações. 

O programa FTK é uma ferramenta muito utilizada em investigações criminais. Até mesmo o FBI lança mão dela em seu trabalho. Dessa forma, o perito forense computacional deve estar muito bem preparado para lidar com tudo isso.

No campo jurídico, é importante estudar sempre, mas pode começar aprendendo mais sobre a legislação de crimes cibernéticos, como danos causados por máquinas, fraudes eletrônicas, vazamento de dados, entre outros. 

A Lei 12737/12 dispõe sobre delitos informáticos, e pode ser uma das primeiras da sua lista de estudos.

Já a especialização em perícia forense te ajudará a se aprofundar teoricamente e tecnicamente na área, contribuindo para uma boa colocação no mercado de trabalho. Também é uma excelente opção para quem deseja migrar para essa área tão promissora.