4 startups que cresceram na pandemia e o que motivou esses resultados


O cenário de crise econômica também oferece oportunidades para alguns negócios. Conheça 4 startups que cresceram na pandemia.

Ainda estamos vivendo em meio à uma pandemia, mas com a população em processo de imunização, muitas atividades e setores estão voltando ao seu funcionamento normal.

Entretanto, os desafios do isolamento social e da crise econômica não foram fortes o bastante para barrar o crescimento de algumas empresas, como os negócios apresentados a seguir.

Essas são 4 startups que cresceram na pandemia, mesmo em um cenário tão incerto. Mas o que será que motivou os resultados? As respostas podem servir de inspiração para outros empreendedores.

O que é uma startup?

startups que cresceram

De acordo com o Sebrae, a definição mais atual sobre startups é um tipo de negócio repetível e escalável, que consegue trabalhar em condições de extrema incerteza.

Em geral, as startups começam com uma ideia inovadora, capaz de solucionar um problema comum, tendo custos de manutenção muito baixos.

Graças a isso e a boas estratégias de negócio, uma startup pode crescer rapidamente e gerar lucros muito maiores.

Apesar de startup não ser sinônimo de negócio online, por conta do conceito de baixo custo de manutenção, boa parte desses empreendimentos têm ligação com o mundo virtual.

4 startups que cresceram na pandemia

Certamente, a pandemia foi um período em que novas ideias surgiram, o que permitiu a criação de startups nos últimos meses.

Porém, existem algumas startups que já estavam há algum tempo no mercado e que, no período da pandemia, experimentaram um crescimento. 

Conheça 4 startups que cresceram na pandemia e o que motivou esses resultados!

iFood

Não é difícil entender por que o iFood cresceu tanto nos últimos meses: com a mobilidade reduzida, as pessoas passaram a consumir ainda mais do delivery.

Além de ser prático para o consumidor, o iFood também foi a saída para a renda de milhares de famílias, com pessoas que começaram a trabalhar no segmento de moto entrega.

Nesse caso, entra também a praticidade: para trabalhar na moto entrega é preciso de um veículo e de um bom bauleto para moto, uma caixa plástica capaz de transportar os itens.

O tipo de serviço oferecido pelo iFood foi essencial para o seu crescimento, mas ações de marketing e promoções também motivaram os resultados no período da pandemia.

Com o público mais acostumado com pessoas fazendo entregas de motocicleta, com um baú para moto, a tendência é que o hábito de pedir um delivery não caia no esquecimento.


Hotmart

Do ano passado para cá, milhares de brasileiros perderam seus empregos. Para muitos deles, a fonte de renda passou a ser negócios digitais, como o marketing de afiliados.

hotmart

Nesse sentido, a startup mineira Hotmart se mostrou uma ótima opção. Com uma plataforma para que pessoas comercializem produtos digitais, a empresa é pioneira por ter um sistema de participação de lucros que inclui afiliados.

Na prática, uma pessoa pode vender o produto digital de outra, recebendo uma comissão por isso. Todos saem ganhando: o afiliado, o criador do conteúdo e a própria plataforma.

O aumento de pessoas trabalhando nesse esquema fez com que a Hotmart conseguisse bons resultados financeiros.

Com os lucros, a empresa anunciou a compra da concorrente americana Teachable, por cerca de 12 milhões de dólares. A ideia aqui é expandir os negócios além do Brasil.

GetNinjas

O GetNinjas é um aplicativo que tem como proposta unir prestadores de serviços a potenciais clientes.

Na plataforma, profissionais das mais diversas áreas podem oferecer seus serviços, enquanto os contratantes têm um amplo banco de pesquisa.

Porém, o primeiro momento da pandemia não foi favorável para a GetNinjas. Isso porque, até então, boa parte dos usuários prestavam serviços em domicílio, como pedreiros e pintores. Com o isolamento social, as pessoas pararam de contratar esse tipo de profissional.

A solução da GetNinjas foi dar destaque para atendimentos à distância, como professores, instrutores de atividades físicas, treinadores, entre outros. 

Foi isso que motivou os resultados e a recuperação da empresa, que hoje aponta que os serviços a distância representam 40% de seu faturamento.

Liv Up

Graças ao isolamento social, o número de profissionais trabalhando em esquema home office disparou. 

Ao mesmo tempo, essas pessoas encontraram como desafio conciliar a rotina do trabalho com atividades da casa, como cozinhar.

É aí que entra a Liv Up, uma das 4 startups que cresceram na pandemia. A marca fornece refeições prontas e congeladas, com foco no que é saudável e funcional.

Além de dar mais atenção ao marketing, com influenciadores encabeçando publicidades, a Liv Up agiu nos “bastidores” ao criar parcerias com pequenos agricultores, que antes enviavam a produção para escolas públicas, fechadas na pandemia.

Isso garantiu o fornecimento da matéria-prima, mesmo com o aumento no número de consumidores.

Boas ideias solucionam problemas

Se o conceito da startup é trazer soluções criativas e inovadoras para os problemas, essas empresas mostraram que estão seguindo na prática o que a teoria diz.

Com boas ideias, as 4 startups que cresceram na pandemia foram rápidas ao encontrar resoluções para cenários adversos, além de aproveitarem o que o momento propiciava.

São pequenas lições que empresas, de todos os tipos e portes, podem tomar como inspiração. Afinal, mesmo na crise, há espaço para crescer.